Revisão Semanal DIPOL – TV e SAT TV, CCTV, WLAN

Nº 16/2024 (15 de Abril de 2024)

Por que é necessária a padronização do tempo na Lua?

A pedido dos funcionários da Casa Branca, a NASA deverá desenvolver o Tempo Lunar Coordenado (LTC), um novo padrão de tempo para uso durante missões lunares, até 2026. Por que o Tempo Universal Coordenado (UTC) não pode ser usado na Lua? Os cientistas dizem que para missões espaciais (tripuladas e não tripuladas), a precisão do tempo é de suma importância. As diferenças nas forças gravitacionais na Lua e em outros corpos celestes mudam a forma como o tempo passa lá em comparação com o da Terra.
Os relógios e fusos horários da Terra operam com base no Tempo Universal Coordenado (UTC). Foi introduzido em 1960 como sucessor do Horário de Greenwich (GMT), que era usado como padrão de tempo global desde 1884. Baseia-se numa vasta rede global de relógios atómicos localizados em vários lugares da Terra. Eles medem as mudanças no estado dos átomos e geram uma média, que em última análise constitui o tempo preciso. UTC não é um fuso horário nem um local específico. Pelo contrário, é um conceito abstrato que permite que o tempo seja coordenado em todo o mundo. Na prática, o UTC serve como ponto de referência para todos os fusos horários do mundo, que são expressos como a adição ou subtração de um determinado número de horas do UTC.
Menos gravidade na Lua faz com que cada dia – em comparação com a Terra – seja 58,7 microssegundos mais curto. Existem também outros desvios (relacionados, entre outras coisas, com a distribuição da massa no planeta) que podem levar a maiores discrepâncias entre a hora da Lua e o relógio da Terra. Os cientistas enfrentam a escolha de um método de medição, mas a crença predominante é que será necessário estabelecer padrões de tempo atômico na superfície do nosso satélite natural.
A introdução da hora lunar uniforme elimina a necessidade de operações de hora local, facilitando a sincronização das comunicações entre a Terra, satélites, bases e astronautas. As discrepâncias de tempo também podem levar a erros no mapeamento e localização das posições de equipamentos ou pessoas na Lua e na sua órbita. O estabelecimento do LTC é particularmente importante no contexto dos planos para devolver os humanos à Lua e para construir bases permanentes na Lua. Uma aterragem lunar está planeada para 2026 com a missão Artemis III. A aterragem será guiada por novos horários.

Verificação dupla de direitos de acesso às gravações do Sunell DVR.

O operador de um sistema de monitorização geralmente aceda o DVR por meio de uma conta com privilégios limitados. Geralmente permite uma visualização das imagens atuais das câmaras, enquanto a visualização dos arquivos requer login numa conta com privilégios mais elevados.
Caso o operador queira aceder as gravações, serão necessárias credenciais adicionais da conta do administrador. Depois que as credenciais são fornecidas, o operador permanece conectado à sua conta, mas ganha acesso temporário para visualizar as gravações.
O recurso de autenticação dupla funciona tanto para acesso local quanto remoto (por meio do navegador e do Sunview CMS).
Habilitando autenticação dupla
Mensagem durante a reprodução de um navegador da web

Nova máquina de fusão de fibra ótica na oferta da Dipol: Sendun SD-9+.

A Dipol agora oferece um novo modelo de splicer de fibra ótica. Sendun é uma marca do fabricante chinês de emendadores de fibra ótica Tumtec. Este fabricante possui quase 20 anos de experiência na produção deste tipo de equipamento, oferecendo modelos para diversas finalidades. O modelo Sendun SD-9+ L5877 está desenhado para uso geral: ligações FTTH, todo o tipo de ligações LAN, CTTV, etc.
Splicer de Fibra Ótica Sendun SD-9+, caixa + conjunto de ferramentas
Máquina de emenda Sendun SD-9+ L5877
Os principais recursos do modelo incluem:
  • 6 motores para posicionamento de fibras,
  • processador de 4 núcleos para operação em alta velocidade,
  • posicionamento no núcleo ou na bainha de fibra,
  • modo automático ou uma das 41 predefinições,
  • medidor de potência óptica incorporado e localizador visual de falhas VFL ,
  • ampliação de imagem x380,
  • velocidade dos motores,
  • tempo mínimo de emenda de 5 segundos,
  • tempo mínimo de emenda da cobertura de emenda de 40 mm 11 s,
  • ecrã 4.3'' sensível ao toque,
  • bateria de 7200 mAh permitindo realizar em média 320 ciclos de emenda + vedação,
  • vida útil dos elétrodos – cerca de 5.000 emendas,
  • suportes universais de fibra,
  • caixa prática e espaçosa,
  • rico conjunto de acessórios,
  • cortador com função de rotação automática,
  • menu em inglês ou polaco.
As funções individuais são descritas com mais detalhes na folha de dados do dispositivo. Um dos recursos interessantes é a capacidade de fazer uma emenda com uma atenuação especificada pelo utilizador. Isto permite, por exemplo, ajustar a potência na entrada do recetor ótico para um nível aceitável sem usar um atenuador externo.
As fotos acima mostram um teste de funcionamento da função atenuador numa emenda de fibra ótica. O teste consistiu em verificar a potência na entrada do medidor de potência ótica após conectar uma fonte de luz por meio de um único patchcord (-5,89 dBm). O patchcord foi cortado e depois emendado usando SM ATT, um programa para criar um atenuador de potência ótica na emenda. Foi definido um valor de atenuação de 2,0 dB. A potência obtida após a soldagem no medidor de potência ótica (-7,62 dBm) foi inferior à potência inicial em 1,73 dB, o que deve ser considerado próximo dos 2 dB esperados.
Edição em janela do programa SM ATT. A atenuação é obtida pelo deslocamento recíproco da fibra. Deve-se ter em mente que os valores de atenuação alcançados podem diferir ligeiramente dos esperados. O valor da atenuação definida na emenda também não deve ser exagerado. Valores acima de 2-3 dB, embora possíveis de definir, devem, no entanto, ser implementados por um atenuador externo.

Sistema DVB-T2 e DVB-S/S2 de cobre ótico num complexo hoteleiro.

O proprietário de um grande complexo hoteleiro encomendou a instalação de TV terrestre fornecendo sinais no novo padrão DVB-T2 e sinais de satélite DVB-S/S2. A instalação deveria cobrir 5 instalações. O sistema de TV distribuiria sinais no novo padrão DVB-T2 de um transmissor local e 15 programas de satélite FTA na forma de sinais digitais DVB-T. Para o efeito foi escolhida uma solução baseada em equipamentos TERRA.
Para garantir a distribuição dos sinais de TV terrestre da melhor qualidade possível e equalizar os níveis de sinal na entrada do sistema, o contratante decidiu utilizar o amplificador multibanda programável PROFINO Revolution 6711 R89062. A receção e distribuição de programas de satélite são possíveis com o uso do transmodulador tdx-480 R81621. A configuração dos painéis mostrada no diagrama permite receber 16 programas de satélite em qualidade Full HD a partir de 8 transponders.
Antena TV UHF DVB-T/T2: DIPOL 44/21-48 Tri DigitAntena FM: Dipol 1RUZ PM B (omnidirecional H+V)Antena DAB/DVB-T/T2: DIPOL 7/5-12LNB QUATRO Universal: Inverto HOME Pro 0.3dBFonte de alimentação de comutação TERRA PS202F (20V 2A, SCR digital)Multiswitch Cabo Único dSCR: Terra SRM-522 (290...2340MHz, classe A, TV terrestre passiva)Fonte de Alimentação TERRA UP413 (12V/4.5A, para módulos Terra)Amplificador Quatro canais: Terra at440 (UHF, DVB-T, AGC) Amplificador Multibanda Terra ma400 (FM/VHF/UHF)Transmodulator TERRA DVB-S/S2 (8PSK, QPSK) para 8xDVB-T (COFDM) TDX-480 (FTA)Transmissor Ótico TV: TERRA mo418 4D31 (1x6dBm, 1310nm)Repartidor Ótico: Terra so414 (1x4)Tomada Encastrar TV/FM: GAR-TVP8/RS5 (terminal)Nó Ótico TERRA OD-005P (recetor FTTH)Nó Ótico TERRA OD-005P (recetor FTTH)Nó Ótico TERRA OD-005P (recetor FTTH)Nó Ótico TERRA OD-005P (recetor FTTH)Repartidor 3-Saidas TV/FM Signal R-3Derivador 8-saidas: FAC-8-20dB (5-1000MHz)Antena Parabólica Satélite FAMAVAL TRX-EL 110 (grafite) (110 cm)Amplificador de Filtro Multicanal: Johansson PROFINO Revolution 6710 (FM-DAB/VHF-2xUHF, programado digitalmente)
Diagrama do sistema ótico e de cobre para 5 instalações hoteleiras com distribuição de sinal DVB-T2 (4 multiplexes de TV digital terrestre e 8 multiplexes do transmodulador tdx-480 R81621). Parte do sinal fonte foi alocada para a sub-rede local (prédio com sala de atendimento). Fibras óticas monomodo foram conectadas aos demais edifícios.
O sinal DVB-T/T2 preparado para distribuição é transmitido para outros edifícios através de fibra ótica monomodo. Para esse fim foi utilizado o transmissor ótico mo418 4D31 R82522 com potência laser de 6 dBm. Além disso, o divisor ótico so414 R82527 é montado na mesma calha DIN R82538 para dividir o sinal em quatro caminhos óticos. O transmissor é alimentado pela fonte de alimentação DR-60-12 12V/4,5A R82532. A conversão inversa do sinal do meio ótico para fio de cobre é realizada em edifícios hoteleiros pelos nós óticos TERRA OD-005P R81760. O nível máximo de sinal na saída do nó é de 107 dBµV, o que permite que o sinal de TV seja distribuído para várias dezenas de sockets R62120 sem a necessidade de amplificadores adicionais. Nessa configuração de dispositivos de fibra ótica, o sinal DVB-T/T2 pode ser transmitido a uma distância de até 12 km.

Switches para condições adversas.

Os switches industriais são dedicados a instalações industriais onde condições adversas, como aumento de poeira, temperatura alta ou baixa ou alta humidade, são possíveis. A instalação de switches industriais também é recomendada para cabeamento aéreo em postes ou em câmaras de cabos, com uso de invólucros selados. Os switches possuem portas Ethernet (Fast Ethernet ou Gigabit Ethernet dependendo do modelo) para conexão de dispositivos como câmaras IP ou PCs. ULTIPOWER Switches Industriais possuem um invólucro que atende ao padrão IP40 (proteção contra acesso a peças perigosas, proteção contra sólidos estranhos com diâmetro superior a 1 milímetros).
Switch PoE Industrial: ULTIPOWER 192SFP 802.3af/at (8xPoE FE, 2xSFP 1000M, estendido, VLAN, PoE Auto Check, Hi-PoE)
Switch PoE industrial ULTIPOWER 192SFP 8xFE (6x PoE 802.3af/at + 2x HiPoE 90W),
1xGE, 2xSFP 802.3af/at, PoE Auto-Check N299704
Os dispositivos também possuem as seguintes funções adicionais:
  • Função estendida que permite alimentar dispositivos conectados com par trançado com comprimento de até 250 m,
  • A função PoE Auto Check executa automaticamente uma reinicialização do dispositivo conectado se ele estiver suspenso.
  • Suporte HiPoE 90 W para portas 1 e 2 (somente switch N299704),
  • A função PD permite que o switch seja alimentado pela porta Ethernet (somente switch N299707).
Principais características:
  • Grau de proteção: IP40
    • Os dígitos após IP classificam e avaliam o grau de proteção oferecido contra a intrusão de partículas sólidas (primeiro dígito) e água (segundo dígito) para o interior da habitação. As caixas de switches UltiPower são classificados IP40, o que significa que os dispositivos são protegidos contra partículas com diâmetro superior a 1 mm, por exemplo, mais fios, parafusos etc.
  • Fonte de alimentação: CC 12-57 V
    • Os switches industriais ULTIPOWER possuem uma ampla gama de tensões de alimentação. Isto dá a possibilidade de sistema em locais onde a tensão de rede padrão não está disponível.
  • Possibilidade de ligação de duas fontes de alimentação (principal e redundante)
    • O switch industrial ULTIPOWER pode ser alimentado simultaneamente a partir de duas fontes de energia, mesmo com diferentes voltagens. No caso em que a primeira fonte de falha de energia (por exemplo tradicional adaptador AC/DC), o dispositivo vai ser alimentado a partir da outra fonte (por exemplo, painel solar, bateria recarregável). É a solução ideal, a fim de manter o funcionamento estável e contínua.
  • Consumo: <6 W (sem PoE)
    • O consumo de energia dos dispositivos é muito baixa, abaixo de 6 W (sem utilizar PoE).
  • Portas Ethernet
    • Dependendo do modelo, os switches têm um quatro portas Ethernet a 10/100 Mbps ou 10/100/100 Mbps. As portas possuem a função Auto MDI-MDIX, possibilitando o reconhecimento de um cabo reto ou cruzado.
  • Portas PoE
    • Todas as portas Ethernet pode alimentar dispositivos PoE (PD). Eles são compatíveis com o padrão 802.3af. Para a utilização da função PoE é necessário para fornecer os switches 48 com tensão VCC.
  • Transmissão por fibra ótica
    • Os switches permitem a transmissão de dados via cabo de fibra ótica (possuem slot SFP). A taxa de transmissão pode ser de 100 Mbps ou 1000 Mbps (dependendo do modelo).
  • Ampla faixa de temperatura operacional
    • O dispositivo pode operar em ambientes onde a temperatura varia de -35 a 65°C. Como resultado, os switches podem ser usados ​​em câmaras frigoríficas, internas e externas ou em postes de luz.
  • Humidade do ar admissível
    • A humidade relativa do ar pode estar dentro de 5...95% de gama.
  • Ampla gama de pressão atmosférica
    • Os dispositivos podem ser utilizados em locais com pressão atmosférica dentro 800...1100 hPa.
  • Compatibilidade em calha DIN
    • Os switches podem ser montados em calhas DIN (graças a uma retenção especial no painel traseiro).

Ativação em lote de dispositivos de rede Hikvision e alteração de seus endereços IP com SADP.

SADP (Search Active Device Protocol) é um software gratuito e fácil de usar projetado para pesquisar câmaras IP e DVRs Hikvision e vídeo porteiros na rede local. Com ele pode modificar os seus parâmetros básicos de rede, ativar dispositivos e alterar ou restaurar senhas. O SADP é particularmente útil na construção de grandes sistemas de CCTV ou de vídeo porteiro. Os dispositivos recém-adquiridos devem ser ativados através da atribuição de senhas. Além disso, os endereços IP dos dispositivos são repetidos para que haja conflito de endereços IP quando todos estiverem conectados à rede ao mesmo tempo. Embora no caso de alguns dispositivos seja possível conectá-los um por um, ativar e alterar o endereço IP através de um navegador (se o dispositivo tiver servidor web integrado), para grandes, por exemplo. Sistemas de CCTV com 32 câmaras IP seriam muito trabalhosos e demorados. Depois de conectar todos os dispositivos, o SADP em execução na rede local irá detetá-los como inativos. Selecionar todos eles permite uma rápida ativação em lote dos dispositivos, atribuindo uma senha de administrador. Para DVRs também é necessário inserir a senha de ativação das câmaras. Após a aceitação, aparecerá uma janela confirmando a ativação dos dispositivos.
Visualização da janela de ativação e processo concluído corretamente.
Quando esta etapa for concluída, poderá prosseguir para o endereçamento em lote dos dispositivos. Para isso, selecione todos os dispositivos e preencha os parâmetros da rede, conforme imagem a seguir. Os dispositivos serão endereçados um por um a partir do endereço IP inserido. Ao inserir a senha com a qual as câmaras foram ativadas, aparecerá uma janela com informações sobre as alterações.

Novos produtos oferecidos pela DIPOL

Modulador HDMI Signal – 1xCOFDM (DVB-T)
Modulador de sinal HDMI – 1xCOFDM (DVB-T) R86301 é um dispositivo que modula o sinal de entrada em resolução Full HD (1920x1080-60p) dado ao conector HDMI no padrão DVB-T COFDM. O dispositivo é um modulador de canal único. Isto significa que é possível conectar uma única fonte de sinal a ele e modulá-lo num multiplex digital DVB-T. O aparelho é uma excelente alternativa aos sistemas baseados em divisores e cabos HDMI.
Licença HikCentral-P-ANPR-1Ch para 1 canal ANPR do software HikCentral Professional Hikvision
HikCentral-P-ANPR-1Ch Licença para 1 canal ANPR do software HikCentral Professional Hikvision K06025 é um pacote de expansão para o software HikCentral Professional, permitindo conectar e gerir 1 câmara ANPR. Inclui todas as funções do módulo ANPR e permite a gestão de uma lista de veículos, uma pesquisa no histórico de matrículas reconhecidas, um alarme quando há correspondência/incompatibilidade de uma matrícula, etc. Para um correto funcionamento, o HikCentral-P-VSS- É necessário o pacote básico Base/0Ch K06019.

Patchcord Multimodo PC-1303D-3 2xSC - 2xLC, duplex, OM3 [3m]
Patchcord Multimodo PC-1303D-3 2xSC – 2xLC, duplex, OM3, 3m L3321303_3 é um cabo de 3 m de fibra ótica multimodo terminado com conectores SC e LC. Os patchcords ULTIMODE são fabricados e testados de acordo com as diretrizes das normas IEC 613000-3-34 e IEC 61300-3-6 da Comissão Eletrotécnica Internacional. Cada pigtail é acompanhado de uma etiqueta apropriada que confirma a conformidade dos parâmetros (perda de inserção e perda de reflexão) com a classe definida pelas normas acima mencionadas. Padrão de fibra: OM3.

Vale a pena ler:

Medições em sistemas de fibra ótica. Parte 1 – descrição geral dos métodos. Entre os métodos de medição definidos pelos padrões PN-ISO/IEC 14763-3 e PN-EN 61280-4-2, podem ser distinguidos aqueles relacionados aos chamados testes básicos e estendidos. Os testes básicos (“Tier 1”) permitem determinar a conformidade de um canal concluído ou link fixo com os requisitos de uma determinada aplicação (por exemplo, uma das aplicações Ethernet) e possível certificação da rede. Os testes estendidos (“Tier 2”) são normalmente utilizados em adição ao teste básico, ou em situações em que o teste básico dá um resultado negativo e é necessário verificar minuciosamente o motivo disso.
As normas acima mencionadas que definem parâmetros, métodos e procedimentos de medição estão diretamente relacionadas às normas de cabeamento estruturado: ISO/IEC 11801 e EN 50173. Os instaladores que implementem tais redes e realizem a certificação devem cumprir rigorosamente as regras definidas nas normas e utilizar equipamentos que permitam tais testes e a emissão do certificado aplicável. Na prática, os dispositivos permitidos a serem utilizados são definidos nas condições de garantia do fabricante do cabeamento estruturado...>>>mais
Uma série de dispositivos ULTIMODE para teste e medição de instalações de fibra ótica.
Antena de TV DIPOL SMART CITY DVB-T2
Antena SMART CITY DVB/T2 com bypass até 40 km do transmissor